Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Nota-se, não é?

 

Tenho andado com um desânimo grande e isso acaba por se reflectir em tudo o que (não) faço, nas coisas que gosto e até nos pequenos pormenores que compõem a  minha vida.

 

Queria fazer mais, muito mais e melhor mas não estou a conseguir. A sensação que tenho é que a força anímica se foi embora, que me abandonou.

 

Esta nova luta que encetei e na qual tenho empenhado toda a minha força e vontade, teima em tentar vencer-me. Quando menos espero, passa-me uma rasteira. Mas eu não desisto, pego na minha força e vontade e continuo o caminho em frente.

 

O que mais desejo é que o destino e a minha saúde náo acabem de vez com o meu sonho!

Gente Desonesta.

Há pessoas que revelam o seu carácter através de pequenas coisas, pequenos gestos que na realidade não têm grande importância aparente.

 

Costumo deixar os meus ctálogos da Yves Rocher numa papelaria aqui em frente. Adona pede-me e a mim também me dá jeito.

Com a chegada do Natal houve um catálogo especial. Uma das clientes da papelaria andava maluca para ver o catálogo, todos os dias perguntava por ele e dizia que era para levar para a escola onde trabalha porque as colegas também queriam ver.

 

Só para chatear - até parece que estavam a adivinhar o que se ia passar - os catálogos chegaram atrasados e foi porque liguei para a empresa a reclamar. O mais engraçado é que eles são certinhos!

 

Assim que o ctálogo chegou, levei à papelaria e a dona ligou à tal pessoa que andava "aflita". A pessoa fo buscar o catálogo e entretanto desapareceu do mapa.

 

Chegou o último prazo para se fazer a encomenda e a fulananunca mais disse nada, não levou o catálogoe nem atendeu o telefone.

 

Acho isto de muita má fé. Isto passou-se com um reles conjunto de papéis, sem importância, imagino se fosse com algo que realmente valesse a pena ficar. Até poderia ficar com o catálogo mas por consideração e repeito ao trabalho dos outros e da dona da papelaria um "afinal não vamos encomendar nada" teria caído bem.

 

Vivendo e aprendendo. Ningém volta a levar catálogo nenhum da loja pois eu só recebo um e se quiser mais tenho de os pagar.

Porque não há bebés?

Foi esta a pergunta que a minha colega me fez no café, enquanto lhe mostrava algumas peças do meu artesanato que mais tarde ia colocar nos correios.

 

Olhando pensativa para o meu café quentinho e aromático, respondi-lhe "olha porque ainda não aconteceu..."

 

Não sonha ela e nem revelei eu o sofrimento por que tenho passado...

 

R.I.P. Madiba.

 

Invictus – the poem

by William Earnest Henley

 

Out of the night that covers me,
Black as the Pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

 

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud,
Under the bludgeoning of chance
My head is bloody, but unbowed.

 

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds, and shall find me, unafraid.

 

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.

 

Rest in peace Madiba. Thank you for being such a huge inspiration for humankind.